PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

ResCOVID: pesquisa desenvolvida pela ESP/CE detalha histórico clínico de pacientes durante 1ª e 2ª ondas da pandemia

8 de dezembro de 2021 - 17:34 # # # # #

Texto: Elon Nepomuceno | Foto: Daniel Araújo


Encontro científico foi realizado nessa terça-feira (7) para apresentar os primeiros resultados, que estão relacionados ao Hospital Estadual Leonardo Da Vinci

Comparar as características, os desfechos clínicos e fatores associados à mortalidade intra-hospitalar de pacientes com Covid-19. Foi com este objetivo que, em maio de 2020, os pesquisadores da Escola de Saúde Pública do Ceará Paulo Marcelo Martins Rodrigues (ESP/CE), vinculada à Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), começaram a coletar dados referentes às internações provocadas pelo coronavírus em unidades públicas de saúde estaduais.

Batizado de ResCOVID, o projeto conseguiu estruturar um banco de dados com cerca de seis mil inscritos. Nele, constam informações relacionadas às características sociodemográficas e clínicas, além dos sintomas iniciais, desfechos e hábitos de vida dos entrevistados. O trabalho durou cerca de 18 meses e foi feito por equipes multidisciplinares, por meio de um formulário eletrônico.

Participam do estudo os hospitais Estadual Leonardo da Vinci (Helv), São José (HSJ), Geral de Fortaleza (HGF) e os Regionais do Cariri (HRC), Norte (HRN) e do Sertão Central (HRSC).

Nessa terça-feira (7), um encontro científico foi promovido pela ESP/CE para apresentar os primeiros resultados da pesquisa. O evento destacou os fatores associados à mortalidade hospitalar por Covid-19 no Helv, comparando os indicadores das 1ª e 2ª ondas da pandemia.

Assista à íntegra do encontro

A explanação foi feita pela médica infectologista e integrante da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (HM), Ana Paula Matos Porto, que também fez parte da coordenação da ResCOVID. Houve, ainda, um momento de análise dos dados com o superintendente da ESP/CE, Marcelo Alcantara, e o cientista-chefe da Saúde do Estado e coordenador do Centro de Inteligência em Saúde do Estado do Ceará (Cisec), José Xavier Neto. A mediação foi do supervisor do Centro de Investigação Científica da ESP/CE, Jadson Franco.

Este é um trabalho de primeiríssima qualidade, do ponto de vista técnico, do ponto de vista, inclusive, da atitude de se instalar no [Hospital] Leonardo Da Vinci durante uma situação de quase colapso do sistema de saúde. Isso mostra que, mesmo num cenário muito difícil, nós não podemos nos esquecer de gerar conhecimentos e análises para subsidiar nossas decisões e mudanças de rumo. Porque senão a gente fica caminhando no escuro e fazendo uma gestão com base intuitiva, com base em impressões, e isso pode nos levar a um caminho até errado no cuidado com os pacientes”, destaca Alcantara.

Já o coordenador do Cisec, José Xavier Neto, classifica a ResCOVID como “símbolo de um Estado que fez a transição de uma era onde se tinha uma gestão baseada em intuição para um Estado muito sério, que vai medir a eficácia e eficiência de suas ações com o intuito de melhorar estratégias”.

Principais resultados

Assim como atestado em outros estudos mundo afora, a obesidade aparece como um dos principais fatores relacionados à mortalidade intra-hospitalar por Covid-19 no Helv, principalmente, durante a 2ª onda de casos, quando um terço dos 1.405 pacientes entrevistados tinham o diagnóstico da doença crônica.

Outro dado presente na ResCOVID aponta que mulheres e moradoras de localidades com Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) mais alto foram mais internadas do que os homens, também no pico de notificações da doença registrado neste ano. Na contabilização das duas ondas, a Covid-19 foi mais mortal para o público masculino. Contudo, a taxa de mortalidade da 2ª onda, em todos os cenários, foi inferior à da primeira.

Já entre os principais sintomas apresentados pelos pacientes, em ambos períodos de elevação de casos, estão falta de ar, febre, perda de olfato, dor de cabeça e dor ao engolir – sendo estes dois últimos mais presentes nos primeiros meses de 2021.