PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Fórum sobre DST/Aids mobiliza 300 profissionais de saúde amanhã na ESP-CE

17 de junho de 2009 - 11:50

 

A Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP-CE) sedia amanhã, 18 de junho, o III Fórum Científico de DST/AIDS voltado a profissionais da Atenção Básica das Coordenadorias Regionais de Saúde de Fortaleza, Caucaia, Baturité, Macaranaú. O objetivo é mobilizar 300 médicos e enfermeiros do Programa Saúde da Família para participar do evento que acontece de 8h às 17h no auditório Ciro Gomes (Avenida Antônio Justa, 3161, Meireles).

Promovido pela Coordenadoria de Pós-Graduação de Vigilância da Saúde da ESP-CE, em parceria com a Coordenadoria de Promoção e Prevenção da Saúde, através do Núcleo de Prevenção e Controle de Doenças e Agravos da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), o fórum visa a propiciar um debate científico sobre a infecção por HIV com enfoques nas áreas de transmissão e prevenção, diagnóstico (com ênfase na detecção precoce) e cuidados da atenção básica às pessoas vivendo com HIV/AIDS que são assistidas em serviços de referência.

O município de Tianguá sediou em março passado o primeiro fórum, beneficiando municípios que compõem a 13ª e 16ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRES). Em abril, Aracati realizou o fórum para municípios das CRES de Aracati, Russas e Limoeiro do Norte . Estão previstos fóruns para Crateús, em agosto, e Juazeiro do Norte, em outubro.

A previsão é mobilizar mais de mil profissionais do Programa Saúde da Família (PSF) para uma discussão em torno das DSTs, especialmente a Aids, de forma que sejam intensificadas atitudes de prevenção e atendimento humanizado com seus pacientes, diagnosticando, aconselhando e informando mais acerca das doenças, inclusive da convivência com o vírus HIV.

Estão sendo distribuídos 1.150 (hum mil cento e cinqüenta) exemplares da Cartilha de DST/Aids do Ministério da Saúde, com informações estratégicas na prevenção, diagnóstico e tratamento. “A ação descentralizada é indispensável, porque não se trata de uma demanda apenas da capital. Todo o Estado tem que estar preparado para receber esses pacientes e, ao mesmo tempo, realizar ações de prevenção e diagnóstico precoce”, explica a coordenadora de  Pós-graduação em Vigilância da Saúde, Alice Pequeno.

Convidados

São palestrantes deste fórum Telma Alves Martins, coordenadora do Núcleo de Prevenção e Controle de Doenças (NUPREV-SESA); Terezinha do Menino Jesus Leitão (médica infectologista do Hospital São José) e Fernanda Scheridan de Moraes Bezerra, enfermeira do Hospital Geral de Fortaleza.

Mais informações: 85 3101.1400