PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Mais de 600 ACS de Fortaleza concluem curso em fevereiro

9 de janeiro de 2009 - 03:00

Os 625 alunos do Curso Técnico de Agentes Comunitários de Saúde participam, entre 15 de janeiro e 15 de fevereiro dos encontros finais nas seis Secretarias Executivas Regionais. Divididos em 21 turmas, os ACS foram aprovados em concurso público realizado pela Prefeitura Municipal de Fortaleza. Na ocasião, será apresentado um balanço das atividades teóricas e práticas e os primeiros resultados da intervenção deles, de acordo com o conteúdo trabalhado durante a capacitação.

Segundo a coordenadora estadual Kilvia Albuquerque, uma das principais preocupações de aprendizado é o manejo adequado dos instrumentos de trabalho, principalmente o cadastramento no Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB). “O correto preenchimento dos dados possibilita ao poder público conhecer a situação atual das famílias, planejar as ações e fazer um acompanhamento constante e com resultados de fato”, ressalta.

Também é trabalhado o Kit Família Brasileira Fortalecida, produzido pelo Unicef, que traz orientações básicas para cuidados de crianças na primeira infância.

Outro ponto importante é o espaço para a abordagem de temáticas especiais, como Políticas Públicas e Estratégias de Combate à Dengue, com palestrantes convidados, de acordo com as necessidades apresentadas pelas equipes de cada regional.

Conquista

O Curso Técnico de Agentes Comunitários de Saúde é uma conquista da categoria, que desde julho de 2002 foi reconhecida como profissional, por meio da Lei 10.507/2002. Um dos itens dessa legislação é a qualificação básica, que corresponde ao Curso Técnico de ACS, com 520 horas-aula.

O Estado do Ceará foi o primeiro no país a enviar um projeto e receber recursos para o curso. A Escola de Saúde Pública é referência na aplicação dos cursos e recebe visitas de vários estados para conhecer a proposta metodológica.

O curso é desenvolvido em parceria com os municípios. A Escola disponibiliza instrutores, coordena e supervisiona, prepara material didático e tem sistema de avaliação informatizado.

Confira os principais assuntos abordados durante o curso, que tem 560 horas-aula distribuídas em quatro fases teóricas e práticas:

:: FASE 1

O Agente Comunitário de Saúde: histórias e contribuições para a construção do SUS

Teoria
Conceito de saúde; promoção da saúde; políticas de saúde e estratégia de saúde da família;  noções de direito e cidadania; atribuições e instrumentos de trabalho do ACS (cadastro correto no Sistema de Informação da Atenção Básica, declaração de nascido vivo e declaração de óbito).

Prática
Pesquisar a história do bairro e serviço de saúde nele existente; cadastrar 60 % das famílias de sua micro-área na ficha A do SIAB “Contando para Cuidar” (que traz informações básicas sobre situação socioeconômica, saneamento básico etc).

:: FASE 2

O trabalho do ACS para o fortalecimento das competências familiares

Teoria
Rede sociais; cuidados de crianças de 0 a 2 anos e de 3 a 6 anos; orientações sobre vacinação em crianças, adolescentes e idosos.

Prática
Concluir cadastros da Ficha A, cadastrar gestantes na Ficha B-GES e fazer cartões-espelho de todas as crianças menores de 1 ano de idade, mapear as famílias que estão em situação de risco.

:: FASE 3

O Trabalho do Agente Comunitário de Saúde para a Melhoria da Qualidade de Vida dos Portadores de Doenças Crônicas
 
Teoria
Políticas Públicas de Proteção Social; alimentação e nutrição; acompanhamento de portadores de doenças crônicas transmissíveis e não-transmissíveis.

Prática
Cadastro dos portadores de hipertensão, diabetes, tuberculose e hanseníase; levantamento das famílias cadastradas no Bolsa Família

:: FASE 4

O Trabalho Educativo do Agente Comunitário de Saúde

Teoria
Políticas de proteção social; práticas culturais e cuidados com a saúde, educação em saúde, comunicação e trabalho em grupo.

Prática
Desenhar a árvore de cinco famílias consideradas de alto risco, levantando aspectos como: contexto socioeconômico, histórico de doenças e expectativa de vida; elaborar uma proposta de acompanhamento dessas famílias com base na análise.

 
Assessoria de Comunicação e Marketing da ESP-CE – ascom@esp.ce.gov.br