PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Semana Mundial de Aleitamento Materno será aberta no Albert Sabin

30 de julho de 2010 - 13:01

 

 

Com o tema “Amamentação: apenas 10 passos”, será aberta na segunda-feira, 2 de agosto, às 9 horas, pelo Secretário da Saúde do Estado, Arruda Bastos, a Semana Mundial de Aleitamento Materno 2010, no recanto dos acompanhantes do Hospital Infantil Albert Sabin (HIAS), localizado na Rua Tertuliano Sales, 544, Vila União. A abertura da semana prestará homenagem a 50 mães que atualmente doam leite materno às 20 crianças internadas no Centro de Tratamento Intensivo e Unidade Neonatal de Cuidados Especiais. Elas são atendidas pelo Banco de Leite que funciona no Hias desde 2004. Atualmente a unidade dispõe de 10 litros de leite pasteurizado e sete litros de leite cru por dia, que são fornecidos aos recém-nascidos internados no hospital.

Da programação da Semana Mundial de Aleitamento Materno 2010 consta ainda a realização, no dia 6 de agosto, do VIII Encontro Estadual de Hospitais Amigo da Criança e do II Encontro Estadual de Aleitamento Materno. Os dois eventos reunirão representantes das Coordenadorias Regionais de Saúde (CRES), dos Hospitais Amigos da Criança, além de profissionais do Programa Saúde da Família (PSF), das 8h30min às 17 horas, no Hotel Mareiro, na Avenida Beira Mar, 2380, Meireles.

A Semana Mundial de Aleitamento Materno foi criada em 1992 e objetiva o incentivo do desenvolvimento de campanhas e projetos sobre o aleitamento em diferentes comunidades do mundo, além da criação de uma consciência a nível planetário sobre a importância da amamentação. O tema deste ano, “Amamentação: apenas 10 passos”, é referência aos critérios da Iniciativa Hospital Amigo da Criança (HIAC), que compreendem a adesão aos “Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno” e ao Código Internacional de Comercialização dos Substitutos do Leite Materno pelas maternidades certificadas.

Os dez passos são recomendações que favorecem a amamentação a partir de práticas e orientações no período pré-natal, no atendimento à mãe e ao recém-nascido ao longo do trabalho de parto e parto, durante a internação após o parto e nascimento e no retorno ao domicílio, com apoio da comunidade. Estudos realizados em diferentes países, incluindo o Brasil, concluem que a IHAC é uma estratégia efetiva para o incremento da prevalência e da duração da amamentação exclusiva e total.

O aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida pode evitar, anualmente, 1,3 milhão de mortes de crianças menores de 5 anos no mundo. Os bebês até os seis meses não precisam de chás, sucos ou outros leites, nem mesmo de água. Após essa idade, deverá ser dada alimentação complementar apropriada, mas a amamentação deve continuar até o segundo ano de vida da criança ou mais.

Amamentar os bebês imediatamente após o nascimento pode reduzir consideravelmente a mortalidade neonatal – aquela que acontece até o 28º dia de vida – nos países em desenvolvimento. De acordo com o Unicef, no Brasil, do total de mortes de crianças com menos de 1 ano, 65,6% ocorrem no período neonatal e 49,4% na primeira semana de vida.

No Ceará, a taxa de prevalência do aleitamento materno exclusivo até os 120 dias passou de 55,6% em 1999 para 71,1% em 2009 – um crescimento de 28% em 10 anos. A promoção da amamentação exclusiva, ao lado de outras ações de prevenção e assistência, fez a taxa de mortalidade infantil no Ceará cair mais de 53% no mesmo período, passando de 28,7 por mil nascidos vivos em 1999 para 15,3 por mil nascidos vivos em 2009.

O aleitamento materno na primeira hora de vida é importante tanto para o bebê quanto para a mães. Auxilia nas contrações uterinas, diminuindo o risco de hemorragia. A amamentação fortalece ainda o vínculo afetivo entre mãe e filho.

O leite materno contém todas as proteínas, açúcares, gorduras e vitaminas que o bebê necessita para ser saudável e protege ainda de doenças como otites, alergias, vômitos, diarréia, pneumonias, bronquiolites e meningites. Melhora ainda o desenvolvimento mental do bebê, da formação da boca e do alinhamento dos dentes, além de ser mais facilmente digerido do que o leite em pó.

Gráfico - proporção de crianças de 0 a 4 meses com aleitamento materno exclusivo. Ceará 1999 a 2009.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação da Sesa