Percepções de Profissionais da Estratégia Saúde da Família acerca do trabalho multiprofissional na Atenção Básica à Saúde

Evelma Maria Ferreira Leite, Carlos André Moura Arruda

Resumo


Objetivo: Compreender as percepções dos profissionais da estratégia saúde da família sobre o atendimento multiprofissional realizado pelos profissionais do NASF, na atenção básica em Canindé-CE. Método: estudo com abordagem qualitativa, tendo como sujeitos médicos, enfermeiros, técnicos/auxiliares de enfermagem e agentes comunitários de saúde. Os dados foram coletados por meio de uma entrevista, sendo realizada a análise do discurso. Resultados: Os nasfianos fazem atendimentos específicos, visitas domiciliares e palestras socioeducativas, além de outras atividades, se necessário; os ganhos da iniciativa são o apoio matricial,
gerenciamento de especialidades e maior resolutividade dos casos. As principais dificuldades citadas foram a falta de estrutura física, de apoio e de insumos. Os entrevistados relataram diferenças entre a atuação do NASF administrado pela esfera municipal e o NASF que atua como Residência Multiprofissional em Saúde, administrado pelo Estado. Conclusão: Há necessidade de integração entre as iniciativas de gerenciamento do NASF na cidade e apoio por parte dos entes públicos para que o trabalho nasfiano continue e potencialize seus acertos.


Palavras-chave: Atenção básica à saúde; Pessoal de saúde; Avaliação de programas e projetos de saúde; Educação permanente.


Referências


Polignano MV. História das políticas de saúde no Brasil: uma pequena revisão 2001. [Acesso em: 18 set 2014]. Disponível em: http://www.medicina.ufmg.br/dmps/internato/saude_no_brasil.rtf.

Moretti-Pires RO, Campos DA. Equipe Multiprofissional em Saúde da Família: do Documental ao Empírico no Interior da Amazônia. Rev Bras Educ Médica 2010; 34(3):379-389.

Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da atenção básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, n. 204, p. 48, 24 out. 2011. [Acesso em: 24 jan 2014]. Disponível em: http://www.brasilsus.com.br/legislacoes/gm/110154-2488.html.

Campos GWS, Domitti AC. Apoio Matricial e Equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública, 2007; 23(2):399-407.

Silva ATC, Aguiar ME, Winck K, Rodrigues KGW, Sato ME, Grisi SJFE et al. Núcleos de Apoio à Saúde da Família: desafios e potencialidades na visão dos profissionais da Atenção Primária do Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública 2012; 28(11):2076-2084.

Faustino RLH, Moraes MJB, Oliveira MAC, Egry EY. O trabalho de enfermagem em saúde da família na perspectiva de consolidação do Sistema Único de Saúde. REME Rev. Min. Enferm 2004; 8(4):464-469.

Bispo JP Jr. Fisioterapia e saúde coletiva: desafios e novas responsabilidades profissionais. Ciênc. Saúde Coletiva 2010; 15(Supl.1):1627-1636.

Araújo MBS, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc. Saúde Coletiva 2007;12(2): 455-464.

Crevelim MA, Peduzzi M. A participação da comunidade na equipe de saúde da família: é possível estabelecer um projeto comum entre trabalhadores e usuários? Ciênc. Saúde Coletiva 2005; 10(2):323-331.

Silva IZQJ, Trad LAB. O trabalho em equipe no PSF: investigando a articulação técnica e a interação entre os profissionais. Interface Comunic. Saúde, Educ. set.2004/fev.2005; 9(16):25-38.

Machado MH. Trabalhadores da saúde e sua trajetória na reforma sanitária. In: Lima NT, Gerschman S, Edler FC, Manuel Suárez J (Org). Saúde e democracia: história e perspectivas do SUS. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005. p.257-81.

Ministério da Saúde. Portaria nº 648/GM, de 28 de março de 2006. Aprova Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes de Saúde (PACS). Brasília (Brasil): Gabinete do Ministro, 2006. [Acesso em: 14 ago 2014]. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2006/GM/GM-648.htm.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGBE). Resultados do Censo por Cidades – Canindé: população estimada 2014. [Acesso em: 03 jan 2015]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=230280.

Ministério da Saúde. DATASUS – CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde). 2005. [Acesso em: 24 jan 2015]. Disponível em: http://cnes.datasus.gov.br/Lista_Es_Municipio.asp?VEstado=23&VCodMunicipio=230280&NomeEstado=CEARA.

Boni V, Quaresma SJ. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em tese. Rev Eletr Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC janeiro-julho/2005; 2 (1): 68-80.

Geluda K, Bosi MLM, Cunha, AJLA, Trajman A. “Quando um não quer, dois não brigam”: um estudo sobre o não uso constante de preservativo masculino por adolescentes no Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública 2006; 22(8):1671-80.

Caregnato RCA, Mutti RR. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enferm 2006; 15(4): 679-684.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Atenção Primária e Promoção da Saúde / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2007. 232 p.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. Saúde Pública 2008; 24(1):17-27.

Souza FLD, Chacur EP, Rabelo MRG, Silva LAM, Villela WV. Implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: percepção do usuário. Saúde debate 2013; 37(97): 233-240.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010; 34(1): 92-96.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Núcleo de Apoio à Saúde da Família / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 116 p.: il. – (Cadernos de Atenção Básica, n. 39) Conteúdo: Vol. I – Ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano.

Gil CRR. Atenção primária, atenção básica e saúde da família: sinergias e singularidades do contexto brasileiro. Cad. Saúde Pública 2006; 22(6):1171-1181.

Anjos KF, Meira SS, Ferraz CEO, Vilela ABA, Boery RNSO, Sena EL. Perspectivas e desafios do núcleo de apoio à saúde da família quanto às práticas em saúde. Saúde debate 2013; 37(99): 672-680.

Araújo EMD, Galimbertti PA. A colaboração interprofissional na Estratégia Saúde da Família. Psic Sociedade 2013; 25(2): 461-468.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Escola de Saúde Pública do Ceará - Av. Antonio Justa, 3161 - Meireles, Fortaleza - Ceará - Brasil - Cep 60165-090
Fone: (85) 3101.1406 - Fax (85) 3101.1423 - E-mail:cadernos@esp.ce.gov.br - Twitter: twitter.com/espce
©2015 - Governo do Estado do Ceará. Todos os Direitos Reservados - Ver localização no mapa


Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.